PIB cresce 0,8% e chega a R$ 1,716 trilhão no terceiro trimestre

PIB-800x534

Setor de serviços foi o que mais influenciou alta

O Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todos os bens e serviços produzidos no país – cresceu 0,8% na passagem do segundo para o terceiro trimestre de 2018, na série com ajuste sazonal. Em relação ao terceiro trimestre de 2017, o crescimento foi de 1,3%.

Os dados foram divulgados neste momento pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e indicam que no resultado acumulado nos quatro trimestres terminados em setembro (3º trimestre do ano), o PIB subiu 1,4% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Já no acumulado do ano, o PIB cresceu 1,1%, em relação a igual período de 2017. Em valores correntes, o PIB no terceiro trimestre de 2018 alcançou R$ 1,716 trilhão, sendo R$ 1,464 trilhão do valor adicionado a preços básicos e R$ 252,2 bilhões dos impostos sobre produtos líquidos de subsídios. A taxa de investimento foi de 16,9% e a taxa de poupança foi de 14,9%.

Os dados das Contas Trimestrais, divulgados hoje pelo IBGE, indicam altas de 0,7% na agropecuária, 0,5% nos serviços e 0,4% na indústria. Nas demais comparações, as variações foram de 1,3% em relação ao mesmo período de 2017, 1,4% no acumulado em quatro trimestres e 1,1% no acumulado de janeiro a outubro de 2018.

“Apesar de a agropecuária ter apresentado o maior crescimento, foram os serviços que mais influenciaram a taxa, já que são o setor de maior peso no PIB”, explicou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Os dados divulgados pelo IBGE indicam que no setor de serviços todas as atividades cresceram do segundo para o terceiro trimestre, com destaque para transporte, armazenagem e correio, que tiveram alta de 2,6%.

“Esse crescimento tem a ver com a greve dos caminhoneiros, um efeito de compensação após a paralisação ocorrida no segundo tri”, disse Rebeca. A pesquisadora destacou ainda o crescimento do comércio, alinhado ao aumento do consumo das famílias.

No comércio a alta foi de 1,1%; nas atividades imobiliárias, 1%; nas atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados, 0,4%; na informação e comunicação, 0,2%; em outras atividades de serviços 0,2%; e na administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social 0,1%.

Influenciaram no crescimento de 0,4% na indústria, a alta de 0,8% nas Indústrias de transformação. Tanto as Indústrias extrativas quanto a Construção tiveram variação positiva de 0,7%. A única queda foi de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos, com queda de 1,1%.

Acumulado do ano

Os dados divulgados pelo IBGE indicam, por outro lado, que no resultado acumulado nos três primeiros meses do ano, o crescimento do PIB foi de 1,1% em relação a igual período do ano passado.

O resultado foi influenciado pelos crescimentos verificados na indústria, cuja expansão foi de 0,9%, e nos serviços, de 1,4%, uma vez que a Agropecuária apresentou variação negativa de 0,3%.

As atividades da indústria com resultado positivo no acumulado do ano foram indústrias de transformação (2,3%) e eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (1,5%). Indústrias extrativas tiveram variação nula e apenas a construção fechou em queda: de 2,6%.

Nos serviços, houve crescimento em Atividades imobiliárias (3,0%); Comércio (2,8%); Transporte, armazenagem e correio (2,3%); Outras atividades de serviços (0,9%) e Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade (0,3%). O único resultado negativo foi no setor de informação e comunicação (-0,4).

Na análise da demanda interna, considerando o acumulado no ano até setembro, a formação bruta de capital fixo e a despesa de consumo das famílias cresceram, respectivamente, 4,5% e 2%. Já a despesa de consumo do governo registrou variação de 0,3%. No setor externo, as importações de bens e serviços apresentaram expansão de 9,4%, enquanto as exportações de bens e serviços cresceram 1,5%.

(FONTE: Site Agência Brasil)

O PROFETA É DO CAMALEÃO!

Moisés foi um dos principais responsáveis pela conquista do Vila Nova na Série C de 2015
A diretoria da Aparecidense anunciou hoje (30), a contratação do atacante Moisés para a disputa do Campeonato Goiano 2019.
O atacante de 32 anos já passou por diversas equipes do futebol goiano, inclusive, pelo Vila Nova onde mais se destacou, e ganhou o apelido de profeta.
No camaleão, Moisés irá fazer dupla com o artilheiro Nonato.
O time estreia no Goianão, dia 19 de janeiro,  fora de casa contra o Vila Nova, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, às 17 horas.
FALA APARECIDENSE!
ESSA ATAQUE PROMETE?

HUGOL é referência no Estado em doação de órgãos

_EDS4566Com pouco mais de três anos de existência, o HUGOL – Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira,   se tornou referência em Goiás em doação de órgãos e tecidos, sendo responsável por aproximadamente 60% das captações do Estado nos últimos três meses, de acordo com a Central de Transplantes do Estado.
“O HUGOL é um hospital que abraçou a cultura da doação de órgãos e conseguiu implantá-la com sucesso na unidade. O fato de toda equipe acreditar no processo e realizar o acolhimento humanizado dos familiares faz com que estes se sintam mais seguros para realizar a doação”, explica Katiuscia Freitas, coordenadora da OPO-HUGOL – Organização de Procura de Órgãos, que é responsável por acompanhar e auxiliar no processo de doação na unidade.
De janeiro até outubro desse ano, já foram realizadas no hospital captações de órgãos e tecidos de 30 doadores, sendo coração, rins, pulmão, fígados, córneas e pâncreas, que representaram uma oportunidade de nova vida para até 138 pacientes. Os órgãos foram transplantados em receptores de Goiás, Acre, Brasília, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo.
O Diretor Geral do hospital, Hélio Ponciano Trevenzol, acredita que o atendimento humanizado é um dos principais fatores para o sucesso em se obter essa alta taxa de consentimento familiar para a doação: “Entendemos que o acolhimento humanizado recebido pelos pacientes e familiares no HUGOL contribui para uma maior compreensão e sensibilidade quanto ao tema da doação de órgão, ocasionando em mais chances para salvar vidas”.
fonte: assessoria

Vereadora Sabrina Garcez, propõe abatimento no IPTU para contribuinte que reciclar lixo

IMG_0539Diariamente jogamos algo no lixo, conforme aponta o documentário “Trashed – Para Onde Vai Nosso Lixo”, são “jogadas fora”, anualmente, 200 bilhões de garrafas plásticas, 58 bilhões de copos descartáveis e mais outros bilhões de sacolas.
Não é difícil constatar essa realidade. Bata observarmos no ambiente de trabalho e nas instituições de ensino, sempre há uma latinha por perto. Em casa, os cestos costumam ser encontrados nos banheiros e na cozinha. Na rua, as cidades estão, em geral, repletas de lugares adequados para depositar o que, aparentemente, não será mais utilizado, mas ainda é possível ver muita gente jogando lixo “fora”.
Projeto
Em busca de uma solução para minimizar o problema e estimular a separação do lixo, a vereadora Sabrina Garcez apresentou no plenário da Câmara Municipal de Goiânia, projeto de lei que trata sobre o crédito adquirido no Programa Recicle Mais, Pague Menos da Prefeitura. Pelo projeto, a troca de material reciclável constituído por resíduos sólidos secos vai possibilitar ao morador da capital desconto no valor do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) no exercício seguinte ao ano da geração dos créditos.
A vereadora lembra que para o contribuinte participar do programa deverá se cadastrar no Programa Recicle Mais, Pague Menos, disponível no site da Prefeitura de Goiânia. “No caso, então, o crédito será concedido através do peso do material reciclável e entregue nos locais indicados, bem como a quantidade do crédito será obtida por meio da conversão do peso em valores reais”, explicou Sabrina.
Segundo a parlamentar, a ideia visa criar na população o hábito salutar da separação e destinação adequadas dos resíduos sólidos secos que podem ser reciclados. “Com essa prática ampliada para toda a sociedade goianiense, minimizaremos o impacto ambiental causado pelo lixo descartado de forma incorreta, geraremos empregos e renda no setor da reciclagem e ainda, cada munícipe poderá obter abatimento no valor a ser pago no IPTU”, explicou.
Para participar, o contribuinte deverá cadastrar o CPF pela Internet e levar o material reciclável que separou até um posto de coleta, onde será pesado e os créditos, lançados. Se o projeto for aprovado, a Secretaria Municipal de Finança ficará a cargo de estabelecer a forma de cálculo da conversão do peso para créditos e dos créditos para valores monetários.
O artigo 5º do projeto classifica quais os resíduos sólidos secos que deverão estar separados: plástico, papel, papelão, tetrapak, vidro, metal e lixo eletrônico. A proposta foi aprovada em segunda votação pelos vereadores e agora segue para sanção ou veto do prefeito Íris Rezende.
Saiba diferenciar
Resíduos recicláveis são os descartados que podem retornar à cadeia produtiva para virar o mesmo produto ou produtos diferentes dos originais, como a maioria dos papéis, vidros e plásticos, papelão e alumínio.
Materiais não recicláveis, como pilhas, baterias, lâmpadas incandescentes e fluorescentes, óleo de cozinha, entre outros, devem ser descartados em locais apropriados, senão prejudicam o meio ambiente.
Como separar
– Coloque os plásticos, vidros, metais e papéis em sacos diferentes do orgânico;
– Lave e seque as embalagens que continham produtos orgânicos antes do descarte;
– Papéis devem estar secos. Podem ser dobrados, mas não amassados;
– Embrulhe vidros quebrados e outros materiais cortantes em papel grosso (do tipo jornal) ou colocados em uma caixa para evitar acidentes;
– Garrafas e frascos não devem ser misturados com os vidros planos (como pratos e travessas).

Câmara aprova prisão domiciliar para gestantes e mães

GravidaA Câmara dos Deputados aprovou  o projeto de lei 10269/18 que prevê a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar no caso de mulher gestante ou se for mãe ou responsável por crianças ou pessoas com deficiência. O texto segue para sanção presidencial.

Portanto, a grávida ou mãe/responsável por crianças ou pessoas com deficiência, que estão presas em regime fechado, poderão mudar de regime, caso o crime pelo qual foram condenadas não tiver envolvido violência ou grave ameaça a pessoa. A medida exclui condenadas que tenham vínculos com organizações criminosas.

Pelo Código de Processo Penal, a decisão atualmente fica a critério do juiz, que define substituir a pena de prisão preventiva no caso de gestantes e em outras cinco situações, dentre as quais a mulher com filho de até 12 anos e quando a pessoa for indispensável aos cuidados especiais de pessoa menor de seis anos de idade ou com deficiência.

O texto determina ainda o regime de cumprimento de pena privativa de liberdade de condenadas na mesma situação. Também inclui a possibilidade de medidas alternativas, como o uso de tornozeleira eletrônica.

Progressão de pena

Pela proposta aprovada, a presidiária gestante ou que for mãe/responsável por crianças ou pessoas com deficiência poderá mudar de regime se, cumulativamente, não tiver cometido crime com violência ou grave ameaça a pessoa.

O texto diz ainda que a condenada, que se enquadra em uma das circunstâncias, pode ser beneficiada se não tiver cometido o crime contra seu filho ou dependente; tiver cumprido ao menos 1/8 da pena no regime anterior; ser ré primária e ter bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor do estabelecimento.

Pelo projeto, se a condenada cometer novo crime doloso ou falta grave perderá o benefício a essa progressão mais vantajosa que a regra geral, de cumprimento de 1/6 da pena e com comportamento.

Quanto aos crimes hediondos, como latrocínio (assalto seguido de morte); sequestro seguido de morte; ou favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente ou de vulnerável; o projeto prevê progressão de regime com a mesma regra.

Monitoramento

O Departamento Penitenciário Nacional deve monitorar a integração social e a ocorrência de reincidência daquelas sob regime domiciliar alcançado com a progressão de regime (fechado para domiciliar).

Com avaliações periódicas e estatísticas criminais serão geradas informações que poderão amparar se a progressão especial para esse grupo está sendo efetiva ou não, o que poderia redundar em desnecessidade do regime fechado de cumprimento de pena para essas mulheres nos casos de crimes cometidos sem violência ou grave ameaça.

A descentralização do sistema penitenciário nacional permite aos órgãos locais equivalentes acompanhar esses dados perante as penitenciárias localizadas em seus estados.

fonte:agenciabrasil.ebc.com.br

 

Projeto que trata da reinstituição de incentivos fiscais volta à pauta da Comissão Mista na próxima 3ª-feira

downloadA apreciação da matéria, na Comissão Mista, deve ocorrer na terça-feira, 4, uma vez que está prevista, para a próxima segunda-feira, uma reunião do governador eleito Ronaldo Caiado (DEM) com o setor empresarial, quando o projeto será detalhado. Ele retorna a Goiânia, neste fim de semana, de viagem a Inglaterra, onde participa de Fórum de Gestão Pública, na Universidade de Oxford.

Proposta pelo o atual Governo do Estado, comandado pelo governador José Eliton (PSDB), a matéria trata da reinstituição dos incentivos, dos benefícios fiscais ou financeiros-fiscais, e das isenções relativas ao ICMS. Atendendo a interesse do governador eleito, que assumirá o Executivo em janeiro próximo, o deputado Lívio Luciano (Podemos), relator do projeto de lei na Comissão Mista, apresentou proposta substitutiva. Nela, ele sugere redução dos incentivos fiscais em cerca de 12,5%.

A proposição foi alvo de um amplo debate entre os parlamentares da Alego e dividiu opiniões. Diversos deputados ressaltaram a importância de manter os incentivos fiscais a empresas situadas em Goiás. Um dos argumentos elucidados é o de que, com os cortes, quase meio milhão de empregos acabariam, o que, sem dúvida, prejudicaria o desenvolvimento econômico do Estado.

Livio Luciano ressaltou que existe uma expectativa grande em torno da redução de créditos outorgados de ICMS, pois Goiás é o estado com a maior renúncia fiscal do Brasil. Reafirmou que a proposta busca atenuar o déficit orçamentário do Estado, proporcionando condições para a recuperação da sua capacidade financeira para honrar obrigações e realizar investimentos necessários ao bem-estar da população.

Paulo Cezar Martins (MDB), primeiro a manifestar-se sobre o projeto na Comissão Mista, criticou seu teor, afirmando que empresários estariam dispostos a sair do estado de Goiás por não estarem satisfeitos com os termos propostos. Para melhor discuti-los, o parlamentar pediu realização de audiência pública na próxima terça-feira, 4, para que representantes do Governo e empresários pudessem negociar. O deputado Gustavo Sebba (PSDB) apoiou a sugestão do colega, insistindo na necessidade de contra argumentação, para evitar que Goiás tenha debandada de empresas e aumento do desemprego.

Ao tomar a palavra, o líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Francisco Oliveira (PSDB), propôs acordo para que a matéria fosse aprovada ainda nesta tarde e emendada em Plenário, caso fosse necessário. Como a próxima sessão plenária só ocorrerá na terça-feira, 4,  Francisco Oliveira confirmou que antes da data, mais especificamente na segunda-feira, o governador eleito se encontrará com empresários para discutir a questão.

Por enxergar a matéria como polêmica, o deputado Helio de Sousa (PSDB) comemorou disponibilidade de Ronaldo Caiado se reunir com empresários para negociar os termos da legislação. Até por isso, ele propôs que o relatório não fosse votado antes do encontro, justamente para aguardar novos posicionamentos. “Seria intempestivo de nossa parte fazer qualquer votação quando as partes ainda estão discutindo e buscando entendimento”, declarou.

EMENDA

Durante discussão da matéria, o deputado Jean Carlo (PSDB), único que teve emenda acatada no voto em separado do líder do Governo, explicou a adição feita ao texto, que dispensa obrigatoriedade de celebração de novos Termos de Acordo de Regime Especial (Tare). “O artigo 4º prevê que todas as empresas do estado terão que firmar novo Tare, inclusive as não abrangidas pelos cortes. Ocorre que temos centenas de empresas e cada uma delas têm algumas dezenas de Tare. Isso é totalmente desnecessário e a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) não tem estrutura para realizar todo o recadastramento”, alegou o parlamentar.

O deputado Jean ainda chamou atenção para o artigo 5º da matéria, que determina que quaisquer mudanças na legislação passem pela Casa de Leis, não podendo ser feitas por meio de ato do Executivo. “Isso nos dá o conforto de não ser algo absoluto e imutável”, finalizou.

DISCUSSÃO E VOTAÇÃO

Apesar dos esforços de parte dos parlamentares, a matéria não foi votada na reunião, por falta de quórum. Nova reunião da Comissão Mista deve ocorrer na próxima terça-feira, logo que finda a sessão ordinária.

Confira abaixo a ementa das duas matérias que foram aprovadas no encontro desta tarde:

PROCESSO Nº 5128/18 – GOVERNADORIA DO ESTADO

Altera a Lei nº 17.488, de 12 de dezembro de 2011.

 PROCESSO Nº 5232/18 – GOVERNADORIA DO ESTADO

Altera a Lei nº 14.050, de 21 de dezembro, que dispõe sobre a criação, instalação e transferência de Unidades na Polícia Militar do Estado de Goiás e dá outras providências.

fonte:portal.al.go.leg.br

Maioria do STF valida indulto natalino de 2017; Fux pede vista

stf_28-11-2018Por 6 votos a 2, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou pela validade do decreto de indulto natalino editado pelo presidente Michel Temer no ano passado. Os ministros definem agora se a validade do indulto será imediata.

Pelo entendimento formado, o presidente da República tem poder garantido pela Constituição para elaborar os critérios do decreto e o Judiciário não pode revê-los. O resultado foi obtido mesmo após o ministro Luiz Fux pedir vista do processo, fato que provocaria a suspensão do julgamento. A proposta de continuidade foi feita pelo ministro Gilmar Mendes, que votou a favor da validade do texto do decreto.

Além de Mendes, também votaram a favor da manutenção do texto a ministra Rosa Weber e os ministros Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello.

Com o resultado, os ministros derrubaram a liminar proferida pelo relator, ministro Luís Roberto Barroso, para suspender parte do texto do decreto. Na decisão individual sobre a questão, Barroso suspendeu parte do decreto de indulto natalino editado pelo presidente Temer por entender que o texto inovou e previu a possibilidade de indulto para condenados que cumpriram um quinto da pena, incluindo crimes de corrupção e correlatos, além de indultar penas de multa.

Pelo voto de Barroso, o indulto só poderia ser aplicado após o cumprimento de um terço da condenação. Condenados pelos crimes de peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa em penas superiores a oito anos de prisão também não poderiam ser beneficiados.

Em dezembro do ano passado, durante o recesso de fim de ano, a então presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, atendeu a um pedido da PGR e suspendeu o decreto. Em seguida, Roberto Barroso restabeleceu parte do texto, mas retirando a possibilidade de benefícios para condenados por crimes de corrupção, como apenados na Operação Lava Jato.

O indulto está previsto na Constituição e cabe ao presidente da República assiná-lo com as regras que devem beneficiar anualmente condenados pela Justiça. A medida também foi tomada nos governos anteriores.

fonte:agenciabrasil.ebc.com.br

Índice de infestação do Aedes em Goiás aumenta em relação ao mesmo período de 2017, diz Secretaria de Saúde

mosquito-719613-1920Levantamento da Secretaria do Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) aponta que aumentou a incidência do mosquito Aedes aegypti no estado entre os meses de outubro e novembro se comparados ao mesmo período do ano passado. Em algumas cidades, de acordo com o órgão, os números são bem maiores que a média, o que ocasiona estado de emergência, podendo ocorrer surtos ou epidemias.

O mosquito transmite dengue, chikungunyae zika. Conforme os dados, o índice passou de 0,22%, considerado baixo índice de infestação, para 1,1%, o que já configura estado de alerta. Em Goiânia, o percentual é de 3,2%. O tolerável pelo Ministério da Saúde é de 1%.

Sete cidades do estado apresentam resultados acima de 4%, que representa estado de emergência. São eles: Goianápolis, Araçu, Aporé, São Francisco de Goiás, Ituaçu, Montes Claros de Goiás e Cabecerias.

Nestes municípios, conforme Marcelo Rosa, coordenador geral de combate ao Aedes da SES-GO, é possível que a situação se agrave caso o montante não tenha redução nos próximos dias. “Dependendo dos números que continuarem a ser encontrados de agora para frente, alguns municípios de Goiás podem ter surto ou até mesmo epidemias”, afirma. “Essas áreas são monitoradas através da estatística, georreferenciamento, onde cada casa é monitorada, visitada e registrada quais são os pontos fortes e quais precisam ser melhorados naquela casa com relação ao combate à dengue”, afirmou o tenente-coronel dos bombeiros Marcos Monteiro, subcomandante da Defesa Civil.

Dengue

Dados do boletim epidemiológico atualizados até o último sábado (24) mostram que 62 pessoas já morreram em Goiás vítimas de dengue. Outros 30 casos ainda são investigados.

Goiânia é a cidade com mais casos (15), seguida de Senador Canedo (7), Aparecida de Goiânia (5), Mineiros (5) e Rio Verde (4).

O estado já notificou 96.540 casos de dengue, 25% a mais que o mesmo período do ano passado. Deste total, 57.352 casos foram confirmados, sendo quase a metade na capital.

fonte:g1.globo.com/go/goias

Escolhidos os novos dirigentes do TJGO para o biênio 2019/2021

Por maioria de votos (27), o desembargador Walter Carlos Lemes, atual corregedor-geral da Justiça de Goiás, foi eleito nesta quarta-feira (28) pelo Tribunal Pleno (composto pelos 36 desembargadores que integram o órgão), presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás para o Biênio 2019/2021. A sessão solene e aberta foi realizada no Plenário do Órgão Especial.

Juntamente com o desembargador Walter Carlos Lemes, foram eleitos também os desembargadores Nicomedes Domingos Borges (30 votos) para vice-presidente, e Kisleu Dias Maciel Filho (30 votos) para o cargo de corregedor-geral da Justiça. A posse dos novos dirigentes do Tribunal goiano ocorrerá no dia 1º de fevereiro de 2019. Também concorreu à presidência do TJGO a desembargadora Nelma Branco Ferreira Perilo, que obteve 8 votos.

Com 37 anos de exercício da magistratura, o desembargador Walter Carlos expressou imensa satisfação e alegria pela confiança depositada nele pelos colegas e afirmou que pretende retribuir à altura. O próximo presidente do TJGO elogiou a desembargadora Nelma Perilo e disse que espera contar com o apoio dos colegas, firmando o compromisso de primar por uma administração moderna, transparente e dinâmica. “Me sinto extremamente honrado por ter sido escolhido pelos meus pares para essa missão tão gratificante e maravilhosa que é a Presidência do TJGO. Minha intenção é atuar sempre em conjunto, pois acredito que com a união de esforços é possível promover as mudanças necessárias. Assumo aqui na presença de todos o compromisso de administrar este Tribunal pautado na modernidade, na transparência e na celeridade. Agradeço a todos que me acompanharam e primeiramente a Deus que me permitiu chegar até aqui”, emocionou-se.

Também é do seu pensamento a perfeita harmonia entre os Poderes, cuja premissa básica é o respeito e o diálogo. “Pretendemos estabelecer relações harmônicas com todos os Poderes na nossa gestão, pois acredito que somente assim será possível alcançar resultados efetivos, valorizando, antes de tudo, o diálogo aberto e o respeito”, frisou.

Primando por uma conduta sempre respeitosa, a desembargadora Nelma Perilo agradeceu os desembargadores que votaram nela e também aqueles que não votaram ao ressaltar a importância de se viver em uma democracia, onde cada um tem a opção de escolha. Também desejou ao desembargador Walter sucesso na gestão. “A democracia deve ser respeitada sempre e, por essa razão, acato tranquilamente a opção da maioria. Desejo ao desembargador Walter Carlos muito sucesso na sua gestão. Que sua caminhada seja serena, de paz, com as bençãos de Deus”, almejou. Tanto o desembargador Nicomedes Borges quanto o desembargador Kisleu Maciel também fizeram questão de agradecer aos colegas pela confiança depositada, após a votação.

FONTE: Centro de Comunicação Social do TJGO

MP deflagra terceira fase da Operação Mãos à Obra, em Formosa

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) deflagrou na madrugada desta quinta-feira (29/11) a terceira fase da Operação Mãos à Obra, que para apurar irregularidades detectadas em contratos na Câmara Municipal de Planaltina de Goiás.

A operação ocorre na cidade de Formosa, na região do Entorno do Distrito Federal, onde estão sendo cumpridos quatro mandados, sendo dois de prisão e dois de busca e apreensão em residências do ex-gestor de Contratos da Câmara Municipal de Planaltina de Goiás e de um gerente do Banco do Brasil.

A operação é coordenada pelo promotor Rafael Simonetti, da 4a promotoria de Planaltina de Goiás em parceria com o Centro de Inteligência do MPGO e conta com a participação de 3 promotores de Justiça. Há ainda o apoio da Polícia Civil com dois delegado e sete agentes.

Durante as investigações, o MP detectou que o ex-gestor se utilizou de ligações com o servidor do Banco do Brasil para descontar cheques da Câmara utilizando-se de fraude no endosso para sacar dinheiro em espécie, repassando uma porcentagem para o gerente.

Fases
Esta é a terceira etapa da operação que foi deflagrada inicialmente no início do mês de novembro em Planaltina de Goiás e que culminou com a prisão do então prefeito da cidade, Pastor André, que na época da apuração dos fatos era presidente da Câmara de Planaltina.

Ele teria fraudado contratações de empresas e superfaturado obras, além de ter desviado recursos do erário. Além dele, empresários e servidores da Câmara de Planaltina também foram presos.

Já a segunda fase foi deflagrada na última semana em Planaltina, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão na sede da Câmara de Planaltina.

 

FONTE: Assessoria de Comunicação Social do MP-GO