Primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, discursa no Instituto de Sidney Foto: AAP Image/Mick Tsikas / via REUTERS

x80308377_Australia27s-Prime-Minister-Scott-Morrison-speaks-at-The-Sydney-Institute-in-Sydney-Australi.jpg.pagespeed.ic.nDx5GmXrFA

A Austrália reconheceu Jerusalém Ocidental como a capital de Israel, anunciou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, na manhã deste sábado. Ainda assim, o país não transferirá a embaixada de Tel Aviv até que seja concluído um acordo de paz na região.

Morrison também se comprometeu a reconhecer as aspirações de um futuro Estado palestino, com Jerusalém Oriental como sua capital, no estabelecimento do status da cidade em um eventual acordo de paz.

— Austrália reconhece a partir de agora Jerusalém Ocidental, onde estão o Knesset (o Parlamento israelense) e numerosas instituições governamentais, como capital de Israel — afirmou o primeiro-ministro, durante discurso em Sidney. — Consideramos mudar nossa embaixada para Jerusalém Ocidental quando seja factível, após a conclusão do status final (para a cidade).

Enquanto isso, a Austrália instalará um escritório encarregado de Defesa e Comércio na parte oeste da Cidade Santa.

— Além disso, reiterando o nosso compromisso com uma solução de dois Estados, o governo australiano também está determinado a reconhecer as aspirações do povo palestino por um futuro estado com capital em Jerusalém Oriental — acrescentou.

A liderança palestina descreveu a decisão australiana como “irresponsável” e defendeu que o reconhecimento de Jerusalém Ocidental como capital de Israel viola a lei internacional.

Jerusalém é reivindicada por israelenses e palestinos. A maioria dos países prefere não instalar na cidade seus órgãos representativos. Em comunicado, a autoridade Saeb Erekat ressaltou que abrir um escritório de Defesa e Comércio na cidade viola a resolução da ONU.

fonte:oglobo.globo.com