A eleição 2018 trouxe dívidas à candidatos que foram impugnados, isso porque todos receberam do fundo eleitoral e de doações oficiais e como o dinheiro não foi usado no que foi destinado, o valor, pelas regras da Justiça Eleitoral, terá que ser devolvido.

Ao todo, foram mais de R$ 38 milhões. Parte desse dinheiro, ou melhor, R$ 20 milhões, investidos na campanha ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve sua candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Este valor foi arrecadado antes da confirmação de Fernando Haddad na cabeça da chapa presidencial petista. Mesmo assim, a campanha de Lula declarou ter gastado R$ 19,7 milhões dos valores recebidos.

E não foi só Lula, mais outros 1,2 mil candidatos que se encontram na mesma irregularidade. De acordo com as prestações de contas entregues à Justiça os candidatos impedidos gastaram R$ 36,3 milhões.

Os dados foram organizados pela ONG Movimento Transparência Partidária, com base nas informações publicadas peço TSE na internet. O Ministério Publico Eleitoral (MPE) estuda como reaver o valor total. Segundo o relatório, o principal gasto de campanha este ano foi com impressão de material publicitário.