Arquivo da categoria: Brasil

Moro publica mensagem em latim e internautas ‘esbanjam cultura’.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, brindou os internautas com um pouco de seu repertório cultural neste domingo (23). Horas após a divulgação de novas mensagens trocadas por ele e integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato , o ex-juiz recorreu ao Twitter para citar o poeta romano Horácio (65 a.C. – 8 a.C.). “Um pouco de cultura. Do latim, direto de Horácio, parturiunt montes, nascetur ridiculus mus “, escreveu o ministro.

A mensagem, conforme tradução do ‘ Dicionário de Latim ‘, significa “As montanhas partejam, nascerá um ridículo rato” e foi dita por Horácio numa crítica ao grande espalhafato de um empreendimento que fracassa na execução – o que, no atual contexto, pode ser interpretado como um recado de desdém de Sergio Moro às revelações feitas pelo jornal Folha de S.Paulo.

Saiba mais em:https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2019-06-23/tweet-de-sergio-moro-em-latim-inspira-memes-na-internet.html

Fies: inscrição começa na próxima terça-feira, 25 de junho

inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e para o Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies) abrem na próxima terça feira (25/6) e encerram no dia 1º de julho. Para se inscrever, o interessado deve acessar o site do Fies.

Para participar, o interessado deve ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a partir do 2010. E tenha obtido nas provas uma média igual ou superior a 450 pontos. Além disso, é preciso ter tirado nota acima de zero na redação.

Quem pode fazer a inscrição no Fies

Para participar do Fies, é preciso ter renda familiar mensal bruta per capta de, no máximo, três salários mínimos por pessoa e estar matriculado em um curso superior cadastrado no programa e que seja reconhecido pelo Ministério da Educação. Candidatos inadimplentes com o programa ou que já tenham sido contemplados anteriormente não podem participar.

Saiba mais em: https://diaonline.com.br/2019/06/22/fies-inscricao-comeca-na-proxima-terca-feira-25-de-junho/?utm_source=Suelen+Mota&utm_campaign=diaonline-author

‘Dificilmente teremos concursos no Brasil nos próximos poucos anos’, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro informou neste sábado que o ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu reduzir concursos públicos a poucas áreas, e citou que as exceções são para Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal. O motivo seria falta de verba. “Fora isso, dificilmente teremos concursos no Brasil nos próximos poucos anos”, afirmou o presidente a jornalistas.

Na manhã de ontem, o presidente saiu do Palácio da Alvorada rumo ao prédio médico na área do Palácio do Planalto, onde fez exames antes de sua viagem ao Japão, para encontro do G-20, na próxima semana.

O presidente Jair Bolsonaro também criticou projeto de lei na Câmara que transfere a parlamentares o poder de indicar integrantes de agências reguladoras. Segundo ele, a medida vai transformá-lo em uma “Rainha da Inglaterra”, que reina, mas não governa.

Saiba mais em:https://www.emaisgoias.com.br/dificilmente-teremos-concursos-no-brasil-nos-proximos-poucos-anos-diz-bolsonaro/

OAB pede no STF suspensão de congelamento de verbas de universidades

O Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) entrou com uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo a suspensão imediata dos congelamentos de verbas de universidades públicas anunciados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. Para a OAB, os congelamentos ferem a autonomia universitária e causaram um “caos no sistema educacional”.

No final de abril, Abraham afirmou que cortaria verba de universidades que, em suas palavras, estivessem promovendo “balbúrdia” em seus campi. Posteriormente, o governo anunciou que o congelamento seria linear e atingiria todas as universidades.

Estima-se que o congelamento seja de R$ 2 bilhões, referentes às despesas discricionárias, ou seja, aquelas sobre as quais as universidades têm alguma margem de controle. Eles não incluem salários do corpo docente e dos demais servidores efetivos, por exemplo.

Saiba mais em:https://www.emaisgoias.com.br/oab-pede-no-stf-suspensao-de-congelamento-de-verbas-de-universidades/

Bolsonaro diz que “não tem problema” se votação da Previdência atrasar

hoje que não vê problema se a votação da reforma da Previdência atrasar em uma semana, na comissão especial. O colegiado em que a proposta tramita pode enfrentar dificuldades de ter quorum na semana que vem. Isso em razão das festas juninas, o que atrai os deputados de volta às suas bases eleitorais.
“Pela minha experiência de parlamentar, temos festa junina [nessas semanas]. O parlamentar fica requisitado. Se atrasar mais uma semana, não tem problema, não. Toca o barco”.

A proposta é prioritária do governo Bolsonaro, mas líderes do parlamento criticam a falta de empenho do governo para conseguir apoio e votos à medida. Para ser aprovada, a PEC exige ao menos 308 votos favoráveis dos 513 deputados.

Veja mais em: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/06/21/bolsonaro-atraso-reforma-previdencia.htm

Cinco pessoas continuam desaparecidas após naufrágio no Amazonas

Cinco pessoas ainda estão desaparecidas após o naufrágio de um barco no Rio Juruá, na cidade de Carauari (AM), cidade no oeste do estado, a 788 quilômetros de Manaus. A informação foi dada pelo governo estadual em comunicado divulgado na manhã desta sexta (21).

O barco, utilizado no transporte de passageiros, afundou próximo a uma comunidade denominada Bacaba. Segundo o comunicado, 97 pessoas estavam a bordo no momento do acidente e 92 foram resgatadas com vida.

Uma equipe de quatro mergulhadores do Corpo de Bombeiras foi enviada à cidade para auxiliar nas buscas, juntamente com integrantes do Comando do 9º Distrito Naval da Marinha.

Saiba mais em: https://www.redetv.uol.com.br/jornalismo/cidades/cinco-pessoas-continuam-desaparecidas-apos-naufragio-no-amazonas

Mercado não se preocupa com possibilidade de Lula ser solto, segundo Forbes.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é visto por investidores internacionais como uma “notícia velha” na política brasileira, e um possível movimento para soltá-lo após os vazamentos envolvendo o ex-juiz Sergio Moro não cria tensão no mercado financeiro, diz uma reportagem publicada no site da revista de economia Forbes. “O mercado não está preocupado com o aumento da força do movimento ‘Lula livre”‘, diz a revista. Segundo a publicação, investidores dizem que a avaliação que fazem do Brasil não depende mais da situação do ex-presidente. Parte da explicação para isso, diz o texto, é que ainda há outros casos de corrupção contra Lula que devem ser julgados no futuro.

Saiba mais em:https://brasilianismo.blogosfera.uol.com.br/2019/06/21/mercado-nao-se-preocupa-com-possibilidade-de-lula-ser-solto-segundo-forbes/

“Algumas coisas eu posso ter dito”, diz Moro sobre vazamento de mensagens… –

O ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) contestou hoje a autenticidade das mensagens publicadas pelo site The Intercept Brasil, mas confirmou que “algumas coisas” podem ter sido ditas por ele nas conversas com o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Operação Lava Jato. Em audiência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça do Senado), Moro relatou ter sido usuário do aplicativo de troca de mensagens Telegram por um “determinado período” em 2017, mas excluído o aplicativo depois que a imprensa norte-americana noticiou supostas invasões hackers no curso da corrida presidencial nos Estados Unidos, vencida por Donald Trump no ano anterior….

Fonte:https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/06/19/algumas-coisas-eu-posso-ter-dito-diz-moro-sobre-vazamento-de-mensagens.htm

Conversa normal, descuido ou interferência? Moro depõe sobre vazamentos.

Desde que começaram a vazar conversas suas com procuradores da Operação Lava Jato, o ministro da Justiça, Sergio Moro, já negou “anormalidade” nos diálogos, que segundo ele foram coletados de forma ilegal; fez um desafio à publicação de outras mensagens; e falou em “descuido”. Hoje, a partir das 9h, Moro estará diante de dezenas de senadores para dar mais explicações sobre o conteúdo publicado pelo site The Intercept Brasil. Na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, o ministro terá meia hora para fazer uma exposição inicial.

Depois, diferentemente dos tempos de juiz, passará à condição de depoente. Os senadores inscritos terão cinco minutos para fazer perguntas.

Veja mais em:

https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/06/19/conversa-normal-descuido-ou-interferencia-moro-explica-dialogos-vazados.htm