Arquivo da categoria: Cultura

Centro Cultural Oscar Niemeyer será reaberto oficialmente nesta quinta-feira, 20/12

O Centro Cultural Oscar Niemeyer (CCON) reabre ao público nessa quinta-feira (20), a Esplanada Juscelino Kubitscheck, o Museu de Arte Contemporânea de Goiás (MAC), o Palácio da Música e o Monumento aos Direitos Humanos. Durante o evento, inclusive, a Esplanada JK será liberada para o lazer, possibilitando a prática de skate e patins pela população.

A Biblioteca Jornalista Isanulfo de Abreu Cordeiro teve seu espaço físico adequado e está em fase avançada de implantação, aguardando apenas a chegada do restante do acervo (livros) e do equipamento de autoatendimento, que teve sua aquisição já licitada, para entrar em funcionamento.

Segundo a Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), a reforma demandou um investimento de R$ 10 milhões. Receberam intervenções a Esplanada JK, o Prédio Administrativo, o Monumento aos Direitos Humanos, o Palácio da Música e o Museu de Arte Contemporânea (MAC). Entre outros serviços, foram realizados: revisão de instalações elétricas e hidráulicas, impermeabilização de cortinas do subsolo e restauração das paredes com infiltrações e trincas, substituição de portas, piso e forros, reparos na pintura, substituição de piso em carpete por piso amadeirado e de piso de granitina por porcelanato, instalação de equipamentos de detecção e combate a incêndio. Adequar o CCON às mais recentes normativas de segurança do Corpo de Bombeiros foi um dos principais motivos das obras.

Sobre os espaços

Esplanada cultural

A Esplanada JK tem 19.645 metros quadrados, com versatilidade para usos diversos: exposições, apresentações artísticas, lazer e entretenimento. O espaço é servido por linhas de transporte coletivo (283 e 582), heliponto, acessos às rodovias GO-020 e BR-153, além de ter estacionamento com capacidade para 473 veículos. O espaço recebe o nome do ex-presidente Juscelino Kubitschek, médico, militar e político mineiro. JK governou o país entre 1956 e 1961 e foi o responsável pela construção e transferência da nova capital, Brasília, para o Centro-Oeste.

Museu de Arte Contemporânea de Goiás (MAC)

Com 2.483,87 metros quadrados de área útil e formato cilíndrico, o Museu de Arte Contemporânea de Goiás abriga um salão principal e duas galerias subterrâneas que homenageiam os artistas D. J. Oliveira e Cleber Gouvêa. Atualmente, o MAC tem duas exposições em cartaz: “Um corpo no ar pronto pra fazer barulho” e “Diáspora, Convergências e Conexões em 40 anos na arte de Tai Hsuan-an”. As mostras seguem abertas até março de 2019, com entrada franca. Visitação: de terça a sexta, das 9 às 17 horas; aos sábados e domingos, das 11 às 17 horas.

Palácio da Música

Conhecido popularmente como “cúpula”, o espaço tem 6.403,14 metros quadrados divididos em dois níveis, térreo e subsolo. Pode acomodar mais de 2.000 pessoas, com estrutura de bares, cozinhas de apoio, banheiros e camarins. A entrada é realizada pela Esplanada, com rampa acessível. O Palácio da Música homenageia a pianista, cronista e pesquisadora Belkiss Spencière. É a casa da Orquestra Filarmônica de Goiás (OFG). A partir de janeiro de 2019, a agenda do Palácio da Música será reaberta para eventos culturais públicos e privados.

Monumento aos Direitos Humanos

É a famosa pirâmide vermelha, símbolo do Centro Cultural Oscar Niemeyer e um dos marcos turísticos recentes de Goiânia. Tem 380,22 metros quadrados e abriga o auditório Lygia Rassi, com 166 lugares. Ali é realizado o projeto Café de Ideias, que desde 2015 promove palestras gratuitas com personalidades como Leandro Karnal, Regina Navarro e Luiz Felipe Pondé.

Biblioteca Isanulfo de Abreu Cordeiro

A Biblioteca do CCON, batizada com o nome do jornalista Isanulfo de Abreu Cordeiro, morto neste ano, está em fase avançada de implantação. O espaço ainda não será aberto ao público porque aguarda a chegada de parte do acervo (tem até agora 18 mil dos 60 mil livros previstos) e do equipamento de RFID (Radio Frequency Identification), que garante a segurança das obras e os serviços de autoatendimento e autodevolução. Os produtos já foram licitados.

Sobre o funcionamento do CCON

Durante as férias escolares, a Esplanada JK ficará aberta de segunda a domingo, das 9 às 22 horas, com entrada franca. O Museu de Arte Contemporânea estará aberto ao público de terça a sexta, das 9 às 17 horas, e aos sábados e domingos, das 11 às 17 horas.

Observações: Na Esplanada JK, é permitida a prática de patins e skate. É proibida a entrada de bicicletas adultas e veículos motorizados, bem como a operação de drones (em acordo com o DECEA/decea.gov.br/drone/). O MAC ficará fechado nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1º de janeiro de 2019. A Esplanada JK estará aberta nestes dias.

SERVIÇO

Reabertura oficial do Centro Cultural Oscar Niemeyer

Data: Quinta-feira, 20 /12

Horário: 19h

Local: Esplanada JK/CCON (Avenida Deputado Jamel Cecílio, nº 4.490, Quadra Gleba, Lote 1, Setor Fazenda Gameleira – Goiânia – GO)

Entrada gratuita

(FONTE: Site Seduce)

Exposição Streetworld reúne fotografias do Brasil e Europa

A mostra será realizada no Museu de Arte de Goiânia e tem patrocínio da Lei Goyazes

O Museu de Arte de Goiânia realiza a mostra Streetworld, com trabalhos de sete fotógrafos, sendo três espanhóis (Albert Masó, Francisca Portolés e José Manuel Torres) e quatro goianos (Bruno Bernadi, Weimer Carvalho, André Bragança e Etelvina Borges Deus. A exposição foi aberta nesta terça-feira, 18/12, na Sala Jader Barbalo, no MAG.

A mostra é composta de 42 fotografias, sendo 6 de cada artista e estará aberta à visitação até 3 de fevereiro de 2019, com entrada gratuita. A produção é de Malu Cunha e a curadoria de Mairone Barbosa e Antonio da Mata. A iniciativa tem patrocínio do Programa de Incentivo à Cultura – Lei Goyazes, da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce).

A proposta do projeto é integrar o Brasil (Goiás) e a Europa, através da arte contemporânea. O grupo La Ginesta é formado por José Manuel Torres, Francesca Portolés, Albert Masó, Etel Reis (goiana residente na Espanha), fotógrafos e historiadores interessados pela fotografia científica e documental. O grupo existe há mais de 20 anos e trabalha dentro da linha Street Photography / Fotografia Documental, estilo que envolve técnicas de fotografias que mostram a vida como ela realmente é, como se devolvesse à sociedade sua imagem refletida.

Se juntam aos estrangeiros os fotógrafos goianos, Bruno Bernardi, Weimer Carvalho e André Bragança, num intercâmbio inédito de saberes e experiências. A importância dessa iniciativa é a criação de um espaço de intercâmbio entre os dois continentes.

A Fotografia Documental é aquela que se propõe a registrar a passagem do homem em sua época. Ela está diretamente ligada com as inquietações do fotógrafo, se misturando com o que se obtém dentro de sua câmera escura.

Créditos

“Streetworld” foi contemplada pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Goiânia Apoio cultural: Grupo Navesa.

Serviço:
Exposição Streetworld

Abertura: Terça-feira, 18/12, das 19 às 22h
Visitação: até 3 de fevereiro de 2019

Entrada gratuita

Horários: de terça a sexta feira, das 8 às 12h e das 13 às 17h

sábado, domingo e feriado, das 08 às 18 horas
Local: Museu de Arte de Goiânia – MAG

Endereço: Rua 01, 605 Bosque dos Buritis – Setor Oeste

Classificação indicativa: Livre para todos os públicos

Agendamento: (62) 3524 1196/1189

Produção: Malu Cunha

Curadoria: Mairone Barbosa e Antonio da Mata

(FONTE: SEDUCE)

Vila Cultural divulga agenda de janeiro de 2019

O público goianiense e também os turistas que estiverem na capital durante o mês de janeiro terão várias opções de entretenimento na Vila Cultural Cora Coralina.  A unidade traz na agenda  exposições, festival Anime Gyn, palestras e workshops sobre fotografia contemporânea, sessões de cinema, feira Go Vegan, entre outras atrações.

A Vila Cultural é uma unidade da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce),e funciona na rua 3, ao lado do Teatro Goiânia, no centro. A programação do espaço é toda gratuita e destinada a todos os públicos.

 

Confira a programação do espaço cultural:

Sala Antônio Poteiro: Exposição Em Cada Esquina uma Poética – artista plástico Pedro Galvão. Em cartaz até 15 de janeiro.

Sala do CAT: Exposição Pinturas Recentes – artista plástico Pitágoras. Em cartaz até 11 de janeiro

Sala Sebastião Barbosa: Exposição Demarcações – artista visual Gabriela Noujaim – Vernissage com bate papo

com a artista em 22 de janeiro, às 19 horas. Em cartaz até 28 de fevereiro.

Eventos e Exibições no Hall e Sala de Mídias

13 de janeiro – 11 às 19h

Festival Anime Gyn

Salão Principal, Hall, Sala de Mídias

14 de janeiro –19h30 às 22h

Palestra: Técnica e Processo Criativo – Cris Birrenbach

V Edição do projeto F5 Workshops de Fotografia Contemporânea – WA Imagem

Sala de Mídias

15 de janeiro –19h30 às 22h

Palestra Ser Fotógrafo – Cristiane Mascaro

V Edição do projeto F5 Workshops de Fotografia Contemporânea -WA Imagem

Sala de Mídias

6 de janeiro –19h30 às 22h

Palestra: No mundo em que todos fotografam, com o fotógrafo – Iatã

Cannabrava

V Edição do projeto F5 Workshops de Fotografia Contemporânea – WA Imagem

Sala de Mídias

17 de janeiro –19h30 às 22h

Palestra: Processos, meios e estratégias de criação na fotografia – Eustáquio Neves

V Edição do projeto F5 Workshops de Fotografia Contemporânea – WA Imagem

Sala de Mídias

 

18 de janeiro – 18 às 22h

Cineclub B – exibição do filme Morgue Story: Sangue, Baiacu e Quadrinhos

Sala de Mídias

 

24 de janeiro – 19 às 22h

Cineclube Kalunga – exibição do filme Corra

Sala de Mídias

25 de janeiro – 19 às 22h

Cineclube Clube dos 13

Sala de Mídias

27 de janeiro – 16 às 21h

Feira Go Vegan

Hall e Áreas Externas

29 de janeiro – 19 às 22h

Cineclube Fringe – exibição do filme Laranja Mecânica

Sala de Mídias

(FONTE: SEDUCE)

MIS recebe doação de publicações raras sobre fotografia

O Museu da Imagem e do Som (MIS), unidade da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), recebeu esta semana, a doação de cerca de 180 títulos raros, entre livros, revistas e DVDs, com temática variada, que passarão a compor o acervo da unidade. A doação foi feita pelo bibliotecário e fotógrafo Gilson Borges, que já foi estagiário da biblioteca do MIS. Todo esse material irá passar por um processo de tratamento, higienização e catalogação, e depois disponibilizados para leitura e pesquisa dos usuários.

As obras trazem volumes importantes, como a primeira edição da Revista Zum de fotografia contemporânea, do Instituto Moreira Sales, dentre eles o volume 1, esgotado e avaliado em R$ 500; a Coleção Pirelli de Fotografia, do Museu de Arte de São Paulo (Masp); livros que abordam a história da fotografia (A estereoscopia no Brasil, do autor José Inácio Parente); livros de fotógrafos conhecidos internacionalmente como o americano Robert Mappletorpe, Sebastião Salgado, a Life Library of Photography, edições de Lenise Pinheiro, a Coleção Folha – Grandes Fotógrafose a coleção Nova Fotografia no MIS; Geraldo de Barros (fotografia moderna), Pierre Verger,  entre outros. Outra aquisição é a coleção do fotógrafo Henri Cartier-Bresson, um dos criadores da Magnum, uma das mais conceituadas agências de fotografia do mundo, que ao retratar alguns dos principais eventos históricos do século XX, estabeleceu inúmeros paradigmas para o fotojornalismo e profissionais da área.

Gilson Borges é goiano, autor do livro Memória da Cena Teatral Goiana I, cujo exemplar também faz parte do acervo do MIS. O bibliotecário é um leitor ávido e, por onde anda, em suas viagens, gosta de estar sempre pesquisando novos autores em sebos, museus e livrarias, e com isso, adquirindo preciosidades, sempre em liquidação, e a preços em conta.

Quando questionado sobre o porquê do desapego de tão boas obras, Gilson respondeu que acha interessante partilhar esse material, melhor do que guardá-lo em casa. “Quanto mais alcance esse material tiver, quanto mais ele puder ser compartilhado, ele já cumpriu bem a função dele”, concluiu Gilson, esperando que esse gesto sirva de exemplo para outras pessoas.

Para a coordenadora do Núcleo de Bibliotecas, Arquivo e Museus, Keith Valéria Tito, essas doações são de grande valia, pois, além de acrescentar em número e enriquecer o acervo, permite que as pessoas tenham acesso a obras raras. “A doação realizada por Gilson Borges é muito significativa para o MIS. Recebemos hoje títulos importantes sobre fotografia”, disse ela.

Segundo Keith, por meio dessa doação haverá uma ampliação do atendimento ao público do Museu que se interessa por fotografia: professores, estudantes, fotógrafos, cineastas, historiadores, artistas visuais. Os livros e DVD’s contribuirão ainda, para a qualificação técnica dos servidores do Museu, que por meio das informações ali adquiridas terão mais subsídios para a elaboração de ações educativas como oficinas, palestras, exposições, minicursos e demais atividades que tiverem como mote a fotografia. “E a nossa meta é poder atingir um número maior de itens para disponibilizar ao público o prazer de desfrutar boas leituras. Com isso, fica o convite: aceitamos doações”, diz a coordenadora.

(FONTE: Seduce)

Sesc exibe filmes da Mostra 2018 em sessões itinerantes pelo país

Os 34 filmes selecionados para a 2ª Mostra Sesc de Cinema 2018 já estão sendo exibidos em sessões itinerantes. A programação prevê a passagem das produções pelas representações do Serviço Social do Comércio (Sesc) nas 27 unidades da Federação, incluindo o Distrito Federal, nos próximos dois anos. Entre elas estão os vencedores da 2ª Mostra, anunciados no dia 9 de dezembro, no Sesc Tijuca, zona norte do Rio. Quem estiver interessado na programação é só acessar o site da instituição e procurar a unidade mais próxima.

Para o analista de Cultura do Departamento Nacional do Sesc, Marco Aurélio Lopes Fialho, a mostra itinerante é importante para permitir a participação do público em todas as regiões do país. “A gente está dando a oportunidade para o público conhecer uma nova cinematografia e isso é um desafio constante para quem trabalha no setor de audiovisual”, disse ele. Alguns produtores destacaram a importância de seus filmes chegarem a lugares que não podiam imaginar.

“O Sesc está até em lugares de difícil acesso, onde não existem nem equipamentos culturais. Em vários lugares do Brasil, o Sesc é o único equipamento e também está nas grandes cidades. A gente, realmente, consegue dar um grande abraço cinematográfico no país”, completou.

Regiões

O maior número de prêmios (3) ficou com filmes e curtas de São Paulo, seguido de Mato Grosso (2). Segundo Fialho, isso reflete a diferença do número de produções entre os estados do país. Ele disse que, ao mesmo tempo, pode ser observada a chegada de obras de outros estados, como Santa Catarina e Mato Grosso, além de Pernambuco, que se transformou em polo importante de cinema no Nordeste e já está sedimentado.

A diversidade da regionalização das produções foi uma das preocupações dos organizadores. De acordo com Fialho, isso permitiu que trabalhos realizados fora do eixo Rio/São Paulo pudessem se destacar. “Isso mostra o quanto é importante a gente continuar insistindo no modelo de ter todas as regiões contempladas. Entre os premiados, por exemplo, não teve nenhum filme do Norte, o que significa que devemos continuar investindo nos conteúdos que não são dos grandes polos do centro-sul. É importante ficar atento ao que está sendo produzido fora desse eixo”.

Vencedores

Os vencedores da 2ª Mostra Sesc de Cinema 2018 foram escolhidos nas categorias filme, direção de arte, direção de elenco, roteiro, direção, montagem, desenho de som e direção de fotografia. Seis, dos oito prêmios, foram concedidos para curtas e dois para longas-metragens.

O melhor filme foi Escolas em luta, documentário que trata das ocupações estudantis de 2017 em São Paulo e o poder das redes sociais. “Esse filme é coletivo, foi dirigido por mim, pelo Tiago Tambeli e pelo Eduardo Consonni, feito a três mãos, em três produtoras. É um processo feito com os estudantes, que são os protagonistas e que fizeram boa parte das imagens. É um filme colaborativo. A gente fica também muito feliz com o prêmio porque a luta dos estudantes consegue se amplificar. Essa luta foi única no país e, por isso, é super importante a premiação”, disse o diretor Rodrigo Teixeira Marques.

Ele lembrou que o filme ganhou do Sesc o licenciamento no valor de R$ 26 mil e isso dá fôlego para seguir em frente produzindo mais documentários. “Isso para uma produção independente, que não teve apoio nenhum, a gente consegue cobrir os custos que o filme teve e usar os recursos para inscrevê-lo em outros festivais. Para outros editais, o nosso currículo fica mais forte. Ajuda muito a premiação”, observou.

Curtas

Nos curtas, a premiação de direção foi para A Gis (Valinho/SP), de Thiago Borba; de montagem para Entremundo (São Paulo-SP), de Thiago B. Mendonça; em desenho de som o vencedor foi Labor (Cachoeira do Itapemirim/ES), de Igor Pontini Mesquita; e em direção de fotografia Flecha Dourada (Florianópolis/SC), de Cíntia Domit Bittar.

A cineasta Juliana Curvo e o diretor Diego Baraldi, que se conheceram na universidade, foram os coprodutores do curta Aquele disco da Gal (MT), vencedor em duas categorias: direção de arte e direção de elenco. A obra apresenta a história da convivência entre pai e filha, que ficam juntos no apartamento da família depois que a mãe decide sair de casa para morar com a amante. Para Baraldi, o Sesc tem papel fundamental, porque, ao promover iniciativas como essa, apresenta a diversidade dos diferentes olhares e formas de se fazer cinema. “Essa possibilidade é fundamental para que o espectador perceba a heterogeneidade do cinema brasileiro”, afirma.

Nesta 2ª edição da Mostra Sesc de Cinema foram inscritos 1.061 filmes, sendo 952 curtas e 109 longas. A escolha das obras para a mostra nacional seguiu a avaliação de uma comissão formada por profissionais do Sesc e especialistas das áreas de cultura e cinema.

Inscrições

As inscrições para a 3ª Mostra Sesc de Cinema  começarão no dia 15 de fevereiro e terminarão em 20 de março. Como novidade, os médias-metragens poderão participar. O edital será disponibilizado no site da mostra.

(FONTE: Site Agência Brasil)

Filme da Turma da Mônica ganha primeiro trailer

O longa será a primeira aventura live-action (que usa atores reais) da turminha criada pelo cartunista Mauricio de Sousa.

O momento tão espelado se aploxima. Com previsão de estreia para junho de 2019, foi divulgado nesta terça-feira (18) o primeiro trailer do filme “Turma da Mônica – Laços”.

O longa será a primeira aventura live-action (que usa atores reais) da turminha criada pelo cartunista Mauricio de Sousa.

O trailer dá uma ideia do que podemos esperar da trama, que parece girar em volta de um plano infalível de Cebolinha (Kevin Vechiatto) para recuperar o cão Floquinho, que está desaparecido.

Está lá também, é claro, todo o resto da turma, Mônica (Giulia Benite), Cascão (Gabriel Moreira), Magali (Laura Rauseo) e a arma-coelho Sansão.

Dirigido por Daniel Rezende (Bingo: O Rei das Manhãs) e contando com um estrelado elenco adulto, que inclui  Rodrigo Santoro como o Louco, Monica Iozzi como a Dona Luísa, Paulo Vilhena como seu Cebola, e Ravel Cabral como o Homem do Saco, “Turma da Mônica – Laços” é baseado na graphic novel homônima lancada em 2013 pelos irmãos Vitor e Lu Cafaggi.

“A cada novo trailer que vemos do filme Laços fica aquele gostinho de quero mais. E posso garantir que a produção está além das expectativas. Preparem seus corações!”, disse o criador da turma, Mauricio de Sousa.

(FONTE: Site Mais Goiás)

Brasil está fora da corrida do Oscar pela 20ª vez seguida; ‘Roma’ é favorito

Os indicados serão conhecidos no dia 22 de janeiro e a cerimônia acontecerá em 24 de fevereiro, em Los Angeles

Rodrigo Faro vai interpretar Silvio Santos no cinema

A história terá como mote a conversa do dono do SBT com Fernando Dutra Pinto, que invadiu a casa dele em agosto de 2001

O apresentador Silvio Santos vai ganhar uma cinebiografia. As filmagens começam em janeiro. O dono do SBT será interpretado por Rodrigo Faro.

A história terá como mote a conversa que Silvio teve, em agosto de 2001, com Fernando Dutra Pinto, que invadiu a sua casa e o manteve refém por sete horas. Pinto também foi o mentor do sequestro de Patrícia Abravanel, filha de Silvio, também em agosto de 2001.

O longa ainda vai passar por todas as fases do comunicador, desde quando trabalhou de camelô nas ruas do Rio, cidade onde nasceu, seu começo no rádio e como se tornou dono de uma emissora de televisão.

A direção ficará por conta de Maurício Eça, que comandou “Carrossel – O Filme” e “Carrossel 2 – O Sumiço de Maria Joaquina”.

(FONTE: Site Mais Goiás)

Centro Cultural Octo Marques abre duas exposições

As mostras estarão em cartaz nas galerias de arte Frei Nazareno Confaloni e Sebastião dos Reis. A entrada é gratuita

O Centro Cultural Octo Marques inaugurou as Individuais Simultâneas, dos artistas plásticos Fernanda Pacca e Marlan Cotrin. As mostras estarão em cartaz nas galerias de arte Frei Nazareno Confaloni e Sebastião dos Reis, e ficam abertas à visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 12, e das 13 às 17 horas, com entrada gratuita.

A concepção e curadoria das mostras simultâneas são da produtora Katia Barreto, que buscou artistas cujas obras conversassem entre si, para serem colocadas uma ao lado da outra com obras e instalações aéreas, criando um link estético e resultando nas individuais de Marlan e Fernanda.

As tapeçarias, bordados, peças e instalações de Marlan Cotrim causam deslumbre. Sua matéria prima são os fios, as linhas, tecidos, retalhos, gazes, material abandonado que descostura, desfaz e refaz, buscando a textura ideal, o contato perfeito, o calor e aconchego. Performático, promove instalações com objetos, cadeiras e luminárias para permitir a participação do expectador. Suas tapeçarias são ousadas, com traços especiais e cores formando uma composição fina e de ricas nuances, principalmente com texturas diferenciadas.

Marlan Cotrin foi bailarino por dez anos quando resolveu mudar sua atuação para a moda, trabalhar com figurino e maquilagem. No entanto, seu corpo continuava ativo e reclamava o exercício do tato. A arte de tecer faz parte de seu estar no mundo, da sua forma de reunir, reconstruir, desmanchar e refazer, construindo a sua história e se juntando com outras diversas histórias, tecendo sempre outros enredos e narrativas, em novas criações e universos.

Já as obras de Fernanda Pacca, feitas de materiais inusitados, despertam a curiosidade do visitante. Fernanda é brasiliense e mora em Pirenópolis desde 2016, onde tem uma galeria de arte. Odontóloga de profissão, ela resolveu migrar para arte, produzindo trabalhos que dialogam entre si e com o espectador, encontrando nas linhas de costura a forma de desvendar o novo ainda misterioso, marcado por luzes e tons entrelaçados como que a retendo às bordas do quadro.

Em suas criações, como no quadro ‘Criatura I’, é possível ver a artista surgindo com seus olhos despertos, bem abertos, olhar que vê e se coloca à vista de todos. Em Criatura II, ela se afasta do primeiro plano e dá lugar para as suas mãos abertas, gigantes, fortes e decididas.

O Centro Cultural Octo Marques é uma unidade da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), e funciona no Edifício Parthenon Center, na Rua 4, Centro.

(FONTE: Site Mais Goiás)

Orquestra Sinfônica apresenta Concerto de Natal em Goiânia

Apresentação, que também contará com a participação de coral e da banda juvenil, será no Teatro Sesi nesta segunda e terça-feira

Em celebração ao encerramento da Temporada 2018, a Orquestra e Coro Sinfônicos de Goiânia apresentam ao público, nesta segunda (17) e terça-feira (18), o “Concerto de Natal”. As apresentações serão no Teatro Sesi, às 20 horas.

O concerto terá as participações especiais da Banda Juvenil de Goiânia e dos solistas Patrícia Mello (soprano) e Natanael Ferreira (viola). Patrícia Mello, uma das vozes mais requisitadas de Goiás, irá apresentar a Ária da Bachianas n. 05 de Heitor Villa-Lobos. Natanael Ferreira, jovem violista goiano que faz carreira na Europa, apresentará duas obras para viola e orquestra: Andante Cantabile, de Tchaikovsky e Salut d’mour, de Elgar.

Parte do repertório foi escolhida através de uma votação na Internet: A abertura da ópera “O Barbeiro de Sevilha (Gioachino Rossini), O Fortuna (Carl Orff) e a Abertura 1812 (Piotr Ilitch Tchaikovsky). Na segunda parte teremos a apresentação de canções tradicionais de natal, com destaques para dois medleys escritos pelo maestro Sergio Kulhmann especialmente para esses concertos: O Medley Brasileiro de Natal (2017) e o Medley de Canções Tradicional de Natal (2018). Nesse último a plateia será convidada a cantar junto com a Orquestra clássicos como “Então é Natal”, “Noite Feliz”, “Jingle Bells”, dentre outros.

A regência será do maestro Eliseu Ferreira. A entrada será mediante a doação de 2kg de alimentos não perecíveis ou 1 livro literário, que poderão ser entregues na portaria do teatro nos dias dos concertos.

(FONTE: Site Mais Goiás)