Começa hoje (4/12) a 12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos em Goiânia

“A CÂMERA DE JOÃO”, DE TOTHI CARDOSO, INTEGRA A MOSTRINHA (FOTO:DIVULGAÇÃO)
comeca-nesta-terca-4-12-a-12-mostra-cinema-e-direitos-humanos-em-goiania
De hoje até o dia  9 de dezembro acontece em Goiânia, no Cine Cultura, a 12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos. A Declaração Universal dos Direitos Humanos, que em 2018 completa 70 anos, será o tema da 12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos. A mostra será realizada nos meses de novembro e dezembro nas 26 capitais do país e no Distrito Federal e a programação é totalmente gratuita.  Ao todo, serão exibidos 40 filmes, divididos em 4 mostras: Temática, Panorama, Mostrinha, dedicada ao público infanto-juvenil, e Homenagem, que celebra a carreira do ator e diretor Milton Gonçalves.

Dentre os filmes que serão exibidos na mostra, dois curtas-metragens são goianos e irão integrar a programação da Mostrinha, são eles: A ficção A Câmera de João de Tothi Cardoso e animação A Natureza Agrade de Ana Maria Cordeiro e Ricardo de Podestá. A programação da mostrinha acontece nos dias 5 e 7 de dezembro, às 9h, e contará com a participação de alunos da Rede Municipal de Eduação. A mostra é uma iniciativa do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), com realização nacional do Instituto Cultura em Movimento (ICEM) e realização local do Icumam Cultural e Instituto.

“Estamos em um momento onde falar sobre os direitos humanos é de extrema urgência. O atual cenário político tem nos deixados cada vez mais apreensivos em relação aos nossos direitos conquistados através de tantas lutas históricas. Agora, mais do que nunca, é importante e necessário documentarmos essas lutas, conquistas e também todos estes novos progressos. Os filmes trarão reflexões e discussões aos espectadores, o que reafirma a importância da mostra”, afirma a coordenadora de produção local Maria Abdalla.

Os filmes abordam as diversas temáticas dos Direitos Humanos, como memória e verdade, questões de gênero, população negra, população indígena, população LGBT, imigrantes, direito das pessoas com deficiência, direito da criança, direito dos idosos, direito da mulher, direito à saúde, direito à educação, diversidade religiosa e meio ambiente.

Para permitir a acessibilidade, todas as sessões contam com closed caption e Libras. Os espaços onde ocorrem as exibições também possuem estrutura acessível para receber os diferentes públicos, além de contar com a programação em Braille para consulta. Nos dias 6 e 7 (quinta e sexta), sempre às 14h, acontecerão as duas sessões com áudio-descrição – acessibilidade para deficientes visuais.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos surgiu em 1948 como um grito de liberdade e o clamor por respeito, contra o fascismo e as milhões de mortes da 2ª Guerra Mundial. Segundo a Diretora de Promoção e Educação em Direitos Humanos do MDH, Juciara Rodrigues, a Mostra promove ações públicas que transcendem governos, por isso já está em sua 12ª edição.

“Trata-se de uma revolução silenciosa e maravilhosa. Vai até as pessoas para mostrar a elas a importância de ser cidadão e do respeito ao próximo. Chega até elas levando educação amorosa e libertária, para que possam refletir qual o nosso papel no mundo. É uma forma de lutar e resistir a qualquer tipo de opressão, de objeção em relação ao exercício da nossa cidadania e direitos.”, diz Juciara.

Com mais de 70 filmes no cinema, o ator e diretor Milton Gonçalves, homenageado na Mostra, é um dos mais prolíficos artistas do país. Presente nas telas e palcos desde a década de 50,  participou da história da televisão, do teatro e do cinema brasileiros. Sua versatilidade dramática e seu talento venceram as barreiras que normalmente são impostas aos artistas negros no país.

“Sua atuação no cenário político e sua militância pelos Direitos Humanos e contra o racismo o tornam um desses artistas cuja trajetória precisa ser registrada e cuja história deve ser contada para os jovens. Milton Gonçalves soube como poucos manter um rigor artístico e, ao mesmo tempo, uma atuação e coerência política”, diz a diretora do ICEM Luciana Boal. “Com a proximidade de seus 85 anos de vida, em 2018, é fundamental conhecer o homem, marido, pai, político, ator e diretor Milton Gonçalves”, completa.

Debates
Nesta edição, a 12ª Mostra Cinema e Direitos Humanos irá promover dois debates durante a programação. A primeira sessão seguida de debate acontece no dia 6 de dezembro (quinta-feira), às 17h, com exibição de três curtas-metragens que abordam as temáticas de Combate à Violência LGBT e Memória e Verdade, tema relacionado à ditadura militar. Cláudia Nunes, cineasta e coordenadora do Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduíno, irá mediar os debates que ainda irá contar com a advogada e ativista LGBT Michely Coutinho e a jornalista Nonô Noleto. No sábado, 8 de dezembro, acontece a segunda sessão com debate onde serão exibidos os filmes Batuque Gaúcho e As Sementes que tratam sobre Intolerância Religiosa e Meio Ambiente, respectivamente. A mediação também será de Cláudia Nunes e completando o debate teremos Frei Carlinhos e o geógrafo, membro do MST e Via Campesina Nacional Valdir Misnerovicz.

O Icumam Cultural e Instituto é o produtor local em Goiânia e responsável pela exibição dos filmes e promoção de debates após as sessões, que realiza a mostra na cidade a 10 anos.

Serviço: 
Abertura: 4 de dezembro (terça-feira) às 20 horas.
Local: Cine Cultura (Centro Cultural Marieta Telles Machado, Praça Doutor Pedro Ludovico Teixeira, 2 – Centro)
Data: 4 a 9 de dezembro de 2018

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.